(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Acidente Vascular Cerebral (AVC, AVE ou derrame)

O que é

O “derrame” acontece quando o fluxo normal de sangue é interrompido em alguma área do cérebro. Isso pode acontecer porque um vaso sanguíneo ficou bloqueado ou se rompeu. As células cerebrais precisam de um fornecimento constante de sangue transportando oxigênio e nutrientes. Se o sangue para de chegar às células (mesmo que por um curto espaço de tempo), as células começam a morrer muito rapidamente. Devido a isso, você pode sofrer danos cerebrais na área afetada. Por isso, o derrame é às vezes chamado de “ataque cerebral”. Outro termo é “acidente vascular cerebral”, ou AVC. Dependendo da localização do AVC, você pode acabar com uma deficiência, porque a parte afetada do cérebro não pode mais enviar sinais para o seu corpo. Por exemplo, se as células morrem em uma área do cérebro que controla ou interpreta a fala, você pode passar a ter dificuldade para falar ou entender a fala. Em outros casos, pode ficar difícil mover certas partes do corpo, ou a memória pode ser afetada. Os tipos mais comuns de AVC A maioria dos acidentes vasculares cerebrais é classificada como um de dois tipos:

  • Acidente vascular cerebral isquêmico
  • Acidente vascular cerebral hemorrágico

 

  Acidente vascular cerebral isquêmico O AVC isquêmico é o tipo mais comum de acidente vascular cerebral. Ocorre quando um vaso sanguíneo é bloqueado por um coágulo de sangue (trombo) ou por depósitos de gordura (placas). Um AVC causado por um coágulo sanguíneo que se forma ao longo da parede de um vaso ou por um bloqueio de depósitos de gordura é também conhecido como acidente vascular cerebral trombótico. Muitas vezes, o vaso sanguíneo já está danificado pela pressão alta. Um acidente vascular cerebral embólico ou embolia cerebral acontece quando um coágulo (um êmbolo) de outra parte do seu corpo viaja para o cérebro e bloqueia um vaso sanguíneo lá. Mais comumente, esses coágulos de sangue vêm do coração após um ataque cardíaco ou quando alguém tem batimentos cardíacos irregulares, como a fibrilação atrial. Acidente vascular cerebral hemorrágico O AVC hemorrágico, que é muito menos comum do que um acidente vascular cerebral isquêmico, ocorre quando um vaso sanguíneo que transporta sangue extravasa em hemorragia cerebral (quebras ou rajadas). Isso permite que o sangue vaze para o cérebro. Os dois principais tipos de acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos são:

  • hemorragia intracerebral
  • hemorragia subaracnóidea

 

Em um acidente vascular cerebral hemorrágico intracerebral, o sangue de um vaso sanguíneo “quebrado” vaza para o cérebro e danifica as células cerebrais. Também as células além do vaso sanguíneo quebrado morrem porque foram privadas de seu suprimento de sangue normal. O AVC hemorrágico subaracnóide ocorre quando um vaso sanguíneo perto da superfície do cérebro se rompe, fazendo com que seja preciso recolher o sangue entre o crânio e a superfície do cérebro. Isso causa irritação na parede do cérebro e, frequentemente, é doloroso. Ataque isquêmico transitório Também conhecido como um “mini” AVC, é um acidente vascular cerebral isquêmico, que vai embora rapidamente, pois o bloqueio se rompe. Os sintomas podem durar apenas alguns minutos ou uma ou duas horas. Como o bloqueio passa rapidamente, as células do cérebro não morrem. No entanto, a ataque isquêmico é frequentemente um sinal de alerta de um acidente vascular cerebral isquêmico, possivelmente no mesmo dia ou num futuro muito próximo. Portanto, se você teve um ataque isquêmico transitório, você ainda precisa de uma avaliação médica imediata e completa mesmo que os sintomas tenham desaparecido.

Causas e Sintomas

Todos os tipos de AVC envolvem a interrupção do fornecimento de sangue para alguma área do cérebro. Vasos sanguíneos bloqueados ou rompidos resultam em falta de oxigênio e nutrientes para as células cerebrais. Leva apenas alguns minutos, ou mesmo segundos, após o fluxo sanguíneo ser interrompido, para matar milhões de células cerebrais. Derrames trombóticos ou embólicos geralmente significam que algumas áreas de suas artérias estão sendo danificados por aterosclerose – um acúmulo de colesterol e outras gorduras, combinado com o cálcio que forma “placas” ateroscleróticas. A aterosclerose nessas áreas resulta em formação de coágulos sanguíneos que de repente podem entupir as artérias já estreitadas. Às vezes, o estreitamento ocorre nas artérias carótidas do pescoço, impedindo o sangue de chegar ao cérebro. Em casos raros, não chega sangue suficiente ao cérebro por causa da pressão arterial muito baixa, como quando se está em estado de choque. O acidente vascular cerebral isquêmico é frequentemente associado a um ritmo irregular ou anormal do coração em uma de suas câmaras superiores (chamadas de atrium). O ritmo anormal é chamado de fibrilação atrial. A fibrilação atrial pode causar formação de coágulos sanguíneos no coração. Estes podem viajar até o cérebro e causar um acidente vascular cerebral embólico. AVCs hemorrágicos intracerebrais são geralmente causados pela pressão arterial alta não controlada (hipertensão). AVCs hemorrágicos subaracnóides são mais propensos a resultar do rompimento de uma área frágil de um vaso sanguíneo, conhecida como aneurisma. Muitas vezes, essas áreas são anormalidades com as quais você nasce. Fatores de risco Fatores de estilo de vida: os seguintes fatores associados ao estilo de vida aumentam o risco de AVC:
 
  • Obesidade ou excesso de peso
  • Dieta rica em gorduras saturadas e trans e baixo teor de gorduras “boas”
  • Ingestão elevada de sal
  • Abuso de álcool
  • Abuso de substâncias (cocaína e outras drogas ilegais)
  • Fumar

 

  Fatores médicos: certas condições médicas ou doenças aumentam sua chance de ter um ataque isquêmico transitório ou um AVC. Estas condições incluem:
 
  • AVC ou ataque isquêmico transitório anterior
  • Pressão arterial elevada (hipertensão) (o fator de risco número para AVCs)
  • Fibrilação atrial
  • Diabetes
  • Histórico familiar de AVC
  • Colesterol alto
  • Idade avançada (o risco aumenta para pessoas com mais de 55 anos de idade)
  • Raça (acidente vascular cerebral é mais provável de causar a morte de afro-americanos)
  • Doença cardíaca
  • Aterosclerose
  • Doença arterial periférica – diminuição do fluxo sanguíneo, especialmente nas pernas ou nas artérias carótidas no pescoço
  • Outros problemas de circulação que não estejam bem controlados, como a anemia falciforme
  • Anemia, se não tratada.

 

  Sintomas e sinais de alerta Para o AVC, os sintomas variam consideravelmente, dependendo do tipo de acidente vascular cerebral, da parte do cérebro que é afetada e da gravidade da lesão cerebral. Geralmente, os sintomas começam subitamente e o sinal é evidente de imediato – por exemplo, fraqueza ou paralisia de alguma parte do corpo, com ou sem dor de cabeça. Muitas vezes, os sintomas pioram progressivamente ao longo das primeiras horas ou dias, ou os sintomas podem ir e vir. Algumas pessoas nem sequer estão conscientes de que tiveram um acidente vascular cerebral. Nos casos de ataque isquêmico transitório, os sintomas podem durar apenas alguns minutos e desaparecer completamente. Você deve ir para o hospital imediatamente se você suspeitar que você está tendo um AVC. Ligue para a emergência imediatamente ou procure alguém que possa levá-lo. Se for um ataque isquêmico transitório, os sintomas provavelmente vão desaparecer antes de você chegar ao hospital. No entanto, você ainda precisa ser avaliado. A National Stroke Association (Associação Nacional de Derrames, dos EUA)sugere seguir a diretriz “FAST” abaixo se você suspeitar que você ou alguém pode estar tendo um AVC: ROSTO (“Face”): Peça à pessoa para sorrir. Um lado da face cai? BRAÇOS (“Arm”): Peça que a pessoa levante ambos os braços. Será que um braço cai? FALA (“Speak”): Peça que a pessoa repita uma frase simples. O som da fala está arrastado ou estranho? TEMPO (“Time”): Se você observar qualquer um desses sinais, é hora de ligar para a emergência ou ir para o hospital mais próximo. Segue abaixo uma lista mais completa de sintomas de AVC ou ataque isquêmico transitório:
 
  • Tontura ou vertigem (sensação de que você ou tudo ao seu redor está girando)
  • Sonolência, diminuição da capacidade de resposta, perda de consciência ou coma
  • Mudanças no sentido do tato e sensações de pressão, temperatura ou dor
  • Confusão
  • Dificuldade em falar
  • Incapacidade de compreender o que outra pessoa está dizendo
  • Dificuldade em engolir
  • Vômitos
  • Problemas com leitura ou escrita
  • Problemas de visão – visão dupla, perda de visão
  • Problemas para identificar objetos ou conhecer as suas funções
  • Uma intensa dor de cabeça, súbita dificuldade para andar: falta de jeito ou dificuldades de coordenação e equilíbrio
  • Fraqueza muscular, na face, braço ou perna – muitas vezes apenas em um lado
  • Dormência numa determinada parte do corpo.

Como diagnosticar

Os seguintes exames podem ser indicados para um acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório:

  • Tomografia computadorizada da cabeça ou ressonância magnética do cérebro
  • Angiografia, angiografia com tomografia computadorizada, ou angiografia com ressonância magnética
  • Ecocardiograma
  • Ultrassom com Doppler – para verificar as artérias carótidas no pescoço
  • Eletrocardiograma (ECG ou ECG)
  • Exames para acompanhar o ritmo cardíaco para verificar se há fibrilação atrial ou outro batimento cardíaco irregular.

 

A sua pressão arterial será verificada, e exames de laboratório serão feitos para checar se há colesterol elevado, doenças cardíacas, diabetes e verificar o tempo de coagulação do sangue. O profissional de saúde também irá verificar se há deficiências como fraqueza, paralisia, problemas com sentidos como visão, audição, tato, e sua função mental.

Como tratar

O AVC traz risco de morte. Você deve ligar para a emergência ou ir diretamente para o hospital, se tiver sintomas de AVC ou ataque isquêmico transitório. Os médicos do hospital irão iniciar o tratamento assim que avaliarem a sua condição. Apoio médico geral Você provavelmente vai receber alguns ou todos os seguintes apoios:

  • Oxigênio
  • Acesso intravenoso para prevenir ou tratar a desidratação
  • Medicamentos para controlar problemas como hipertensão arterial, níveis de açúcar anormais, infecção ou fibrilação atrial subjacente
  • Tratamento de coágulos sanguíneos

 

Se um coágulo de sangue está causando o acidente vascular cerebral, ou se você estiver em risco de ter mais coágulos, os médicos podem tratá-lo com um diluidor de sangue (anticoagulante) ou um medicamento anticoagulante (como ativador do plasminogênio tecidual). Isso depende da sua idade (é menos usado em quem tem mais de 75 anos), a rapidez com que você tiver ido para o hospital (dentro de três a cinco horas dos primeiros sintomas) e se você é capaz de se mover. Se houver um risco de hemorragia, o diluidor de sangue provavelmente não será usado. Cirurgia de carótida Para artérias carótidas que se tornaram mais estreitas devido a um acúmulo de colesterol e placas (aterosclerose), o seu médico pode recomendar a cirurgia. Esta operação, denominada endarterectomia de carótida, remove as zonas estreitadas e restaura o fluxo sanguíneo desobstruído para o cérebro. Outras cirurgias Ocasionalmente, a cirurgia pode ser feita para remover o coágulo de seu cérebro se ele puder ser localizado por tomografia computadorizada e estiver em local acessível. Quando há sangramento dentro ou ao redor do cérebro, os médicos podem operar para retirar o sangue. Pequenos stents podem também ser usados ​​na cirurgia de AVC para manter os vasos sanguíneos estreitos abertos. Terapia a longo prazo Se você tiver recebido diluentes de sangue, você vai continuar a tomá-los em forma de pílula por pelo menos alguns meses. Isso também vai exigir exames de sangue regulares. Reabilitação Dependendo de suas restrições pós-AVC, você provavelmente se beneficiará da continuação da terapia que foi iniciada no hospital. A maioria das pessoas vai passar algum tempo em uma clínica de reabilitação. O apoio pode incluir:

  • Fisioterapia
  • Terapia ocupacional
  • Terapia da fala
  • Terapia para deglutição

 

Prognóstico Cada AVC é diferente, e os pacientes se recuperam em diferentes níveis, muitas vezes completamente. Para muitas pessoas, as deficiências desaparecem lentamente durante um período de semanas a meses, ou mesmo anos. Cerca de metade das pessoas que tiveram um acidente vascular cerebral é capaz de ficar bem em casa, de forma independente. Sua saúde física antes do AVC é um fator importante na recuperação. Infelizmente, cerca de dois terços dos pacientes com AVC sofrem algum tipo de incapacidade a longo prazo, e muitos vão precisar de cuidados de longa duração. O risco de um acidente vascular cerebral se repetir diminui drasticamente após os primeiros meses.