(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Ansiedade

O que é

Às vezes um pouco de ansiedade pode ser uma coisa boa. Se você tem um projeto para concluir para o trabalho ou está organizando uma grande festa em sua casa, sentir-se um pouco preocupado para que tudo saia dentro do planejado pode ajudá-lo a se concentrar e terminar o trabalho. Esse tipo de ansiedade é uma resposta normal ao estresse. Mas muita ansiedade é outra coisa. Não é normal ou útil. Se você é muito ansioso o tempo todo, pode ser mais difícil de se concentrar e fazer as coisas. Você pode ter problemas para administrar atividades diárias. E você pode ter dificuldade para aproveitar a vida. A ansiedade que envolve a preocupação excessiva e dura muito tempo ou piora com o tempo é considerada uma doença, um transtorno de ansiedade. Cerca de 14% dos adultos mais velhos têm transtornos de ansiedade. Esses distúrbios são mais comuns entre as mulheres mais velhas do que entre os homens mais velhos. Mais tarde na vida, as pessoas podem desenvolver transtornos de ansiedade durante os eventos estressantes, como uma doença grave, a perda de um cônjuge ou outro parente próximo ou amigo, ou quando surgem problemas financeiros.

Causas e Sintomas

Vários transtornos de ansiedade diferentes têm diferentes causas e sintomas. Mas alguns sintomas, incluindo medo e preocupação, são comuns a todos os transtornos de ansiedade. Transtornos de ansiedade comuns Transtorno de ansiedade generalizada (TAG) Pessoas com TAG se preocupam excessivamente, dia após dia, com muitas coisas. Eles podem estar muito preocupados com a sua saúde, membros da sua família, seu emprego ou dinheiro, mesmo quando não há nenhuma razão real para se preocupar com essas coisas. Ou eles podem sentir-se ansiosos, mesmo quando não há nenhuma razão para preocupação. Eles podem perceber que as circunstâncias não justificam este tipo de preocupação, mas ainda assim não conseguem deixar de se preocupar. Os sintomas de TAG incluem:
 
  • Ser excessivamente ansioso
  • Ser facilmente assustado
  • Ter dificuldade em relaxar
  • Ter dificuldade de concentração
  • Ter dificuldade de cair no sono e manter-se dormindo
  • Apresentar, mesmo sem motivo:
    • irritabilidade
    • inquietação
    • falta de ar
    • aumento da frequência cardíaca
    • suor excessivo
    • boca seca
    • tontura
    • náuseas
    • evacuações frequentes ou aumento da vontade de urinar
    • dores de cabeça
  • Sentir-se “no limite” ou tenso
  • Sentir-se deprimido

 

Transtorno de pânico Alguém com transtorno do pânico apresenta “ataques de pânico”, que são os ataques de ansiedade terrível. Durante esses ataques, a pessoa pode sentir como se estivesse prestes a perder o controle, ter um ataque cardíaco, ficar louco ou morrer. Em alguns casos, a pessoa tem ataques em resposta a certos “desencadeadores” que o assustam. Gatilhos comuns incluem ser pego em uma multidão, ou estar preso em um lugar público. A necessidade de evitar esses gatilhos pode levar a fobias. Em outros casos, os ataques não são acionados por qualquer coisa específica e vêm sem aviso prévio. Os ataques de pânico costumam durar entre alguns minutos a meia hora. Os sintomas podem incluir:
 
  • batimentos cardíacos rápidos e fortes
  • falta de ar
  • dor no peito
  • tontura
  • desmaio
  • fraqueza
  • tremor
  • formigamento ou mãos dormentes
  • suor
  • náusea

 

A maioria dos adultos mais velhos que têm ataques de pânico começou a ter esses ataques ainda jovens. É incomum alguém começar ter ataques de pânico na vida adulta. Os ataques de pânico que começam mais tarde na vida são geralmente mais leves do que aqueles que começam mais cedo. Fobias A fobia é um medo extremo de algo que normalmente representa pouco ou nenhum perigo. Quando alguém com uma fobia vê ou encontra o objeto de seu medo ele pode ser tomado de ansiedade, exatamente da mesma forma que uma pessoa tem um ataque de pânico. Simplesmente antecipar o objeto temido pode deixar uma pessoa com uma fobia extremamente ansiosa. A agorafobia, um medo extremo de locais públicos, é uma fobia comum. Pessoas com esta fobia tentar evitar locais públicos, e como resultado, raramente saem de casa e acabam por se isolar. As pessoas com fobias podem reconhecer que seus medos são irracionais, mas ainda não são capazes de superá-los. Isso pode levá-lo a sentir-se fora de controle e sem esperança. Há duas categorias gerais de fobias:
 
  1. As fobias específicas são medo extremo de uma determinada pessoa, animal, lugar, objeto, evento ou situação. O encontro com essas coisas, e em alguns casos, simplesmente pensar sobre eles, pode levar a um ataque de pânico. Fobias específicas comuns incluem medos de certos animais (como cobras ou aranhas), espaços fechados, medo de voar e medo de alturas. Algumas fobias são mais comuns em determinadas idades. A fobia de se tornar uma vítima de um crime, por exemplo, é mais comum num adulto mais velho do que em um mais jovem.
  2. As fobias sociais correspondem ao temor de se comportar de forma inadequada ou de se sentir incompetente ou constrangido em situações sociais ou em público. As pessoas com fobias sociais podem ter medo de falar em público, ir a encontros, ou simplesmente socializar com outras pessoas. Eles podem sentir-se extremamente inseguros e ter dificuldade para falar com os outros. Eles podem preocupar-se, por dias ou semanas, sobre um evento durante o qual vão conhecer pessoas. Eles também podem ter dificuldade em fazer amigos. Mais tarde na vida, alguns adultos mais velhos podem desenvolver fobia de comer na presença de estranhos. Alguns homens mais velhos podem desenvolver fobia de urinar em banheiros públicos.

 

Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) Pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) têm pensamentos recorrentes que causam ansiedade. Estes pensamentos são chamados de “obsessões”. Para tentar aliviar sua ansiedade, as pessoas com TOC repetem indefinidamente certos rituais ou comportamentos, que são chamados de “compulsões.” As pessoas com este transtorno de ansiedade não conseguem controlar seus pensamentos causadores de ansiedade ou parar de se envolver em seu comportamento compulsivo. Seus pensamentos e rituais perturbadores impedem que eles se comportem normalmente e podem causar um grande sofrimento. Lavar as mãos repetidamente é uma compulsão comum. Uma pessoa com TOC pode gastar mais de uma hora lavando as mãos depois de apertar as mãos de um estranho. Neste caso, o pensamento obsessivo que impulsiona essa compulsão é a preocupação de que ele tenha sido exposto a uma doença grave transportada pelo estranho. Ele lava as mãos várias vezes para tentar aliviar a ansiedade causada por pensamentos obsessivos. Verificar as portas e as janelas repetidamente para se certificar de que estão trancadas é outra compulsão comum. O TOC pode ser incapacitante, interferir com o trabalho e perturbar as relações familiares. Em idosos, a depressão ou a demência podem desempenhar um papel no desenvolvimento de TOC. Uma pessoa que começou a ter dificuldade em lembrar-se de pagar suas contas em dia, por exemplo, pode tornar-se obsessiva sobre a verificação da data no calendário e comparando-a com a data em que pagamentos específicos são devidos. Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) Pessoas que viram ou foram vítimas de um evento traumático pode desenvolver transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Os eventos traumáticos que podem levar a TEPT incluem eventos que causaram um prejuízo grave ou morte, tais como guerras, acidentes de carro, desastres naturais, abuso de longo prazo, e crimes violentos. Algumas pessoas desenvolvem o TEPT após um membro da família ou amigo ser vítima de um evento traumático. Durante um evento traumático é normal estar extremamente assustado e vigilante e apresentar batimentos cardíaco rápidos e sintomas relacionados. Mas para pessoas com TEPT, estes sintomas continuam por muito tempo após o evento. Por vezes, os sintomas não ocorrem imediatamente após o evento. Em vez disso, a pessoa parece estar bem por algumas semanas ou meses, logo após o evento, e em seguida, começa a apresentar os sintomas. Os sintomas de TEPT dificultam muito o manejo da vida diária. Estes sintomas incluem:
 
  • Lembranças frequentes (“flashbacks”), em que a pessoa “revive”
  • pesadelos frequentes
  • pensamentos assustadores
  • necessidade de evitar lugares e situações que lembram a pessoa do evento
  • sentir-se emocionalmente entorpecido
  • culpa
  • irritabilidade
  • ansiedade
  • perda de interesse em atividades que antes eram agradáveis ​​no passado
  • depressão

 

Ansiedade e outros problemas de saúde na vida adulta Idosos com transtornos de ansiedade muitas vezes têm outros problemas de saúde que podem contribuir para a ansiedade. Estas incluem a doença arterial coronariana, diabetes, doenças pulmonares, como doença obstrutiva crônica, e transtornos de tireoide. As pessoas idosas com demência e delirium também podem sofrer de transtornos de ansiedade. Pessoas com ansiedade muitas vezes sofrem de depressão também. Além disso, a ansiedade pode ser um efeito colateral de alguns medicamentos.

Como diagnosticar

Consulte o seu médico se:

  • você se preocupa excessivamente com eventos sem importância aparente
  • sua ansiedade atrapalha o seu dia-a-dia
  • sua ansiedade tem piorado ao longo do tempo.

 

Ele fará perguntas sobre seus sintomas e o que está acontecendo em sua vida, reavaliará seus registros médicos e poderá recomendar vários testes, inclusive exames de saúde mental, psicológica e exames médicos.

Como tratar

A maioria dos transtornos de ansiedade pode ser tratada com medicamentos, psicoterapia (também conhecido como “terapia da conversa”) ou ambos. Tratamento medicamentoso Duas categorias de medicamentos – calmantes e antidepressivos – são frequentemente prescritos para transtornos de ansiedade em idosos. Existem vários tipos diferentes de calmantes (benzodiazepínicos) e antidepressivos. Estes medicamentos funcionam de maneiras diferentes e podem causar efeitos colaterais diferentes. Se prescrever medicamentos, o médico deve monitorar os efeitos colaterais. Os adultos mais velhos são mais propensos a ter efeitos colaterais de drogas anti-ansiedade do que as pessoas mais jovens. Isso acontece porque determinados problemas de saúde que são cada vez mais comuns com a idade aumentam a possibilidade de efeitos colaterais. Acontece também porque os idosos geralmente tomam mais medicamentos do que as pessoas mais jovens e as drogas podem interagir de maneira a causar efeitos colaterais. Se o médico prescreve um medicamento contra a ansiedade, tome-o como ele recomendar. Se a droga está causando sérios efeitos colaterais, não parece estar funcionando, ou funciona no começo, mas depois pára de funcionar, comunique seu médico imediatamente. Ele pode alterar a dose, ou dizer-lhe como parar de tomar a medicação e prescrever uma nova. Você deve sempre seguir o conselho de seu médico antes de descontinuar uma droga. Se ele recomenda uma “redução gradual” da droga, por exemplo, nunca pare de uma vez só. Lembre-se: só porque um medicamento contra a ansiedade não funciona para você não significa que os outros não vão funcionar. Depois de encontrar um medicamento adequado, continue a tomá-lo da maneira prescrita pelo tempo que seu médico recomendar. Se você parar assim que sua ansiedade melhorar, ela pode retornar e você pode ficar mais ansioso do que estava antes de começar o tratamento. Algumas pessoas precisam tomar medicação para a ansiedade por um longo tempo. Se o seu médico pensa que você não precisa mais de uma medicação, ele irá lhe dizer como parar de tomá-lo de maneira que seu corpo possa se ajustar. Psicoterapia A psicoterapia envolve falar e trabalhar com um profissional de saúde mental, como um psiquiatra ou psicólogo, para entender o que está causando o seu transtorno de ansiedade e enfrenta-lo. Estudos sugerem que um tipo de psicoterapia chamada terapia cognitivo-comportamental pode ser particularmente útil no tratamento de uma série de transtornos de ansiedade, incluindo transtorno de ansiedade generalizada, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno do pânico e algumas fobias. Esta terapia ajuda as pessoas a lidar melhor com a ansiedade, aprender técnicas de relaxamento, entender o que está contribuindo para a sua ansiedade, e aprender a mudar a forma como se comportam.