(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Arritmias

O que é

O que é um ritmo normal? Sentir seu coração palpitar no peito, mesmo que por um momento, pode deixá-lo assustado, mas geralmente não há por que se preocupar. Uma agitação ocasional, uma palpitação, ou a sensação de batimentos acelerados são inofensivos e perfeitamente normais. Na verdade, a maioria dos idosos experimentam um batimento cardíaco irregular de vez em quando. A frequência cardíaca normal para adultos mais velhos em repouso é entre 60 e 100 batimentos por minuto. Seu coração pode bater um pouco mais devagar se você for um atleta ou estiver em boa forma física. O que são arritmias? Arritmias são batimentos ou ritmos cardíacos irregulares. Eles são geralmente classificados em quatro tipos: – Batidas extras das câmaras superiores do coração (aurículas) – Batimentos extra de câmaras cardíacas inferiores (ventrículos) – Bradicardia, uma frequência cardíaca anormalmente lenta – Taquicardia, uma frequência cardíaca anormalmente rápida Série de batimentos extra Batimentos extras podem ocorrer isoladamente, em pares, ou em grupos. Em alguns casos, eles podem ser constantes. Quando uma série de batimentos extra ocorre rapidamente, eles podem ser dos seguintes tipos: – taquicardia supraventricular (se as batidas vêm das aurículas) – taquicardia ventricular (se as batidas vêm dos ventrículos). Fibrilação atrial Esta condição é um batimento irregular dos átrios comum em idosos e pode ser intermitente ou constante. A fibrilação atrial ocorre quando a parte superior (atrial) do seu coração se contrai de maneira rápida e irregular. Este é o ritmo irregular cardíaco contínuo mais comum em idosos. Ele ocorre em 3 a 5 por cento das pessoas com mais de 65 anos, e é um pouco mais comum em homens do que mulheres mais velhas. A fibrilação atrial pode diminuir o fluxo de sangue pelo coração, pulmões e corpo. Às vezes, o sangue pode se acumular no coração, levando à formação de coágulos de sangue e um maior risco de acidente vascular cerebral. Bradicardia (ritmo cardíaco lento) Problemas com os sinais elétricos do seu coração podem levar uma frequência cardíaca mais baixa que o normal. Alguns medicamentos, ou baixos níveis de oxigênio, potássio, ou hormônio da tireoide no sangue pode ser a causa, assim como outros problemas cardíacos. A frequência cardíaca lenta pode levar à insuficiência cardíaca ou acúmulo de líquido nos pulmões. Arritmias ventriculares As arritmias da parte inferior do coração, composta pelos ventrículos, são os ritmos cardíacos irregulares mais graves. Estas arritmias podem aparecer como batimentos prematuros sobre um ECG. Se você é saudável, ter batimentos prematuros ocasionais pode não ser algo sério. No entanto, se você tiver outros problemas cardíacos ou circulatórios, as arritmias ventriculares podem necessitar de tratamento. As arritmias ventriculares muitas vezes ocorrem como resultado de outras doenças do coração. Em alguns casos, arritmias ventriculares podem levar a taquicardia ventricular ou a fibrilação ventricular, que é uma emergência com risco de vida. Na fibrilação ventricular, o coração não bate adequadamente e o sangue para de circular.

Causas e Sintomas

A atividade elétrica do seu coração muda conforme você envelhece e isso pode levar a arritmias. Muitos outros fatores causar batimentos cardíacos irregulares, incluindo:
 
  • Uso de drogas
  • Tabagismo
  • Uso excessivo de álcool
  • Excesso de cafeína
  • Alguns medicamentos
  • Alguns suplementos vitamínicos e medicamentos feitos de ervas
  • Estresse ou ansiedade
  • Diabetes
  • Danos ao músculo cardíaco devido a um ataque cardíaco ou doença arterial coronária
  • Insuficiência cardíaca
  • Pressão arterial elevada (hipertensão)
  • Obesidade
  • Apneia do sono (interrupção temporária da respiração durante o sono)
  • Glândula tireoide hiperativa (hipertireoidismo)
  • Desequilíbrios minerais, incluindo cálcio, magnésio, potássio, e sódio.

 

Alguns idosos não sentem uma arritmia como uma sensação de batimentos fortes ou acelerados. Em vez disso, você pode ter sintomas aparentemente não relacionados, como tonturas, desmaios, ou falta de ar. Você pode até não saber que você tem uma arritmia até que ela seja descoberta durante exames de rotina. Sintomas Cada tipo de arritmia tem diferentes sintomas e tratamentos, alguns dos quais se sobrepõem. Os sintomas de fibrilação auricular incluem:
 
  • Palpitação no peito
  • Pulso muito rápido, falta de ar
  • Tontura
  • No entanto, você pode ter apenas sintomas vagos, tais como sentir-se cansado ou inquieto, ou mesmo nenhum sintoma.

 

Os sintomas de bradicardia incluem:
 
  • Falta de ar
  • Fraqueza
  • Fadiga
  • Tontura
  • Desmaios
  • Quedas
  • Desconforto no peito

 

O sintoma mais comum de fibrilação ventricular é:
 
  • Perda de consciência ou desmaio
  • Sinais de alerta precoce de fibrilação ventricular podem incluir aqueles semelhantes a outras arritmias incluindo dor no peito, taquicardia, tonturas ou náuseas.

Como diagnosticar

Quando você visita seu médico devido a uma arritmia, ele provavelmente vai ouvir o seu coração com um estetoscópio, rever seus medicamentos (incluindo aqueles isentos de prescrição e suplementos), e pode solicitar um hemograma e outros testes, tais como: RM cardíaca Uma máquina grande que contém um forte ímã e ondas de rádio cria uma imagem do interior do seu coração. Este teste pode fornecer informações mais detalhadas sobre como suas válvulas cardíacas e outras partes de seu coração estão funcionando. Eletrocardiograma (ECG) e teste de esforço Este teste simples e indolor mede a atividade elétrica do seu coração através de eletrodos (fios) colocados no peito e outras partes do seu corpo. Você pode fazer o teste deitado, ou enquanto você está se exercitando em uma esteira ou bicicleta para monitorar como seu coração responde ao aumento dos níveis de atividade física. Se você não pode fazer exercícios, seu médico pode dar-lhe uma droga que faz com que seu coração bombear com mais força. Ecocardiograma (ou eco) Este é o teste mais comum para avaliar a função do coração e para o diagnóstico de problemas nas válvulas cardíacas, bem como outras doenças cardíacas. Ele usa ondas sonoras (ultrassom) para criar uma imagem do interior de seu coração enquanto ele está batendo. Este teste é geralmente feito enquanto você está se exercitando, em uma esteira ou bicicleta ergométrica para ver como seu coração responde ao aumento da atividade física. Holter Para testar a sua atividade cardíaca durante um período de tempo, seu cardiologista pode lhe dar um monitor portátil para usar em casa. Enquanto você usa o monitor em seu ombro (muito parecido com uma bolsa de ombro), você pode realizar todas as suas atividades normais, exceto banho. Você geralmente usa o monitor por um ou dois dias e depois o devolve ao médico para análise. Monitor de eventos Similar a um monitor Holter, um monitor de eventos é usado se você tiver sintomas ocasionais de batimentos cardíacos irregulares ou tonturas. Com a maioria dos monitores de eventos, você aperta um botão para iniciar o monitor quando você sentir os sintomas, tais como palpitação no peito ou tontura. Outros monitores de eventos registram sua atividade cardíaca automaticamente quando eles identificam batimentos cardíacos irregulares. Você vai usar o monitor de eventos por várias semanas ou até que ele registre batimentos cardíacos irregulares suficientes para o seu profissional de saúde para fazer um diagnóstico. Teste de inclinação Seu médico pode encomendar este teste se você tem desmaios. Sua frequência cardíaca e pressão arterial são monitorados em primeiro lugar enquanto você está deitado sobre uma mesa especial, e, em seguida, à medida que a mesa é inclinada para cima. Este teste mostra se uma mudança na posição do corpo afeta a frequência cardíaca e a pressão arterial. Testes eletrofisiológicos Se a sua arritmia não responder ao tratamento padrão, ou se o seu cardiologista precisa de mais informações para diagnosticar o seu problema, ele pode executar este teste avançado para monitorar a atividade elétrica do seu coração. O cardiologista vai inserir fios finos embutidos com minúsculos eletrodos através de uma veia em seu braço ou perna até seu coração; algumas vezes, o cardiologista utiliza eletrodos para estimular o músculo cardíaco.

Como tratar

Fibrilação atrial Um primeiro passo no tratamento da fibrilação atrial é identificar e tratar outras condições médicas que podem causar o problema, tais como doença cardíaca, pressão arterial alta, ou uma hiperatividade da glândula tireoide. A própria fibrilação atrial geralmente pode ser controlada com medicação. Na maioria dos casos, diluentes de sangue, tais como varfarina ou dabigatran, podem diminuir o risco de acidente vascular cerebral. Outras drogas, tais como betabloqueadores ou digitálicos, podem ajudar a retardar o ritmo cardíaco. Estas drogas geralmente não param a fibrilação, mas eles podem ajudar a controlar os sintomas e riscos. Os medicamentos denominados anti-arrítmicos também são usados ​​para tratar a fibrilação atrial se seus sintomas são particularmente problemáticos, ou se você já teve um procedimento para ajudar a restaurar o seu coração a um ritmo normal, como cardioversão elétrica ou ablação por cateter (veja abaixo). Os medicamentos anti-arrítmicos devem ser usados ​​com cautela, porque podem ter efeitos colaterais graves, inclusive causando outros tipos de ritmos cardíacos irregulares. Estes medicamentos não são eficazes para todos e podem tornar-se menos eficaz ao longo do tempo, se você desenvolver uma tolerância para eles. Alguns médicos recomendam tomar estes medicamentos somente quando você tiver sintomas como palpitações cardíacas. É a chamada abordagem “pílula no bolso”. Isso ajuda a reduzir os efeitos colaterais que podem resultar de tomar a medicação todos os dias. Medicamentos anti-arrítmicos interagem com muitos outros medicamentos, bem como com suco de toranja (grapefruit). Antes de começar a tomar um medicamento anti-arrítmico, não se esqueça de discutir todos os seus medicamentos com o seu médico. Quando você começa a tomar um medicamento anti-arrítmico, você pode precisar de ser hospitalizado por 3-4 dias para que sua reação à droga seja monitorada. Alguns medicamentos anti-arrítmicos comuns para fibrilação atrial são: amiodarona, procainamida, propafenona, quinidina e sotalol. Arritmias ventriculares e fibrilação ventricular As arritmias ventriculares muitas vezes ocorrem como resultado de outras doenças do coração. O tratamento envolve o gerenciamento desses problemas com medicamentos e mudança no estilo de vida muda, incluindo exercício, perda de peso e cessação de tabagismo. Medicamentos anti-arrítmicos são também utilizados para tratar arritmias ventriculares. Em alguns casos, arritmias ventriculares podem levar a taquicardia ventricular ou a fibrilação ventricular, que é uma emergência com risco de vida. Na fibrilação ventricular, o coração não bate adequadamente e o sangue para de circular. Interromper a fibrilação imediatamente é fundamental – você provavelmente já viu o procedimento em programas de TV. Usando um desfibrilador, a equipe de emergência posiciona pás que proporcionam um choque elétrico no peito. Isso choca o coração de volta em um ritmo normal. Se você tiver episódios de arritmias ventriculares com risco de vida, seu médico pode recomendar que você implante um pequeno desfibrilador no peito, como um marcapasso. Estes minúsculos dispositivos automáticos detectam a taquicardia ventricular e a fibrilação ventricular, e pode dar um pequeno choque elétrico ao coração para restaurar um ritmo cardíaco mais normal. Eles são a forma mais eficaz para melhorar a sobrevivência em idosos que têm esse problema. Bradicardia (ritmo cardíaco lento) O primeiro passo no tratamento de bradicardia é identificar e tratar a causa, o que pode envolver uma mudança de seus medicamentos ou ajustar os seus níveis de minerais, como o potássio. Se o problema persistir, o seu cardiologista pode implantar um marcapasso eletrônico interno (veja abaixo) que envia sinais elétricos para o seu coração para mantê-lo de bater a um ritmo mais rápido. Procedimentos para tratar arritmias Ablação por cateter Este é um procedimento por vezes usado para tratar a fibrilação atrial e outras arritmias cardíacas. O médico insere um cateter em um vaso sanguíneo na coxa, virilha, pescoço ou cotovelo e insere o cateter até seu coração, enquanto observa o caminho do cateter em um raio-x. Um fio no cateter emite calor ou frio e destrói o tecido no coração que está causando o batimento cardíaco irregular. As partes do tecido cardíaco que são destruídas são muito pequenas, de modo que este procedimento não manter o coração de ser capaz de fazer seu trabalho. Cardioversão elétrica Este é um procedimento durante o qual uma corrente elétrica é usada para restaurar o ritmo do coração de volta ao seu padrão normal. Marcapassos permanentes Marcapassos podem ser usados para controlar as arritmias e os seus sintomas. Um marcapasso é um pequeno dispositivo plano inserido sob a pele, abaixo da sua clavícula, durante um pequeno procedimento cirúrgico. Fios finos ligados ao marcapasso são segmentados por pequenos vasos sanguíneos em seu coração. O marcapasso contém um chip de computador programado para enviar sinais elétricos de baixo nível para o seu coração para controlar seu batimento cardíaco. Quando você tem um marcapasso implantado, você provavelmente terá que passar a noite no hospital para que a equipe médica possa monitorar seu funcionamento. O chip de computador do marcapasso também registra a taxa e o ritmo de seus batimentos cardíacos. Seu médico utilizará essas gravações para verificar e ajustar o seu marcapasso periodicamente para que ele funciona melhor para o seu tipo de arritmia. O marcapasso pode ser ajustado externamente, no consultório do seu médico, ou até mesmo por telefone ou pela Internet. Ele utiliza uma bateria, semelhante a de um relógio, que é substituído a cada seis ou sete anos. Isso também requer uma pequena cirurgia. Esta cirurgia é mais simples do que quando o marcapasso é colocado em seu corpo. Se você tem um marcapasso, você deve ser cuidadoso em relação a ter contato próximo ou contínuo com certos dispositivos elétricos quando eles estão ligados, tais como telefones celulares, tocadores de música (como iPods), ou fornos de microondas. Estes podem interferir com os sinais elétricos que o marcapasso está enviando para o seu coração. Você também precisa evitar certos procedimentos médicos que podem prejudicar o seu marcapasso, como a ressonância magnética.