(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Delirium prolongado x Mortalidade

UNIFESP

Atualizações em Geriatria

Prof. Dr. João Toniolo Neto
Professor da Disciplina de Geriatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp)

Dra. Ana Beatriz G. Di Tommaso
Preceptora do Ambulatório de Longevos da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo – EPM/UNIFESP e vice-Supervisora do Programa de Residência Médica em Geriatria e Gerontologia da EPM/UNIFESP

Dra. Juliana Marília Berretta

Tema: Delirium prolongado x Mortalidade
Estudo: Duration of Postoperative Delirium Is an Independent Predictor of 6-Month Mortality in Older Adults After Hip Fracture
Fonte: Journal of the American Geriatric Society 2014 Jul; 62(7):1335-40.
Desenho do Estudo: Estudo coorte prospectivo observacional. Foram avaliados os pacientes acima de 65 anos (média 84,3 ± 6.4 anos) admitidos na Unidade de Ortopedia Geriátrica do Hospital Universitário de San Geraldo, em Monza, Itália, de outubro 2011 até abril de 2013. CAM (Confused Assesment Method) foi realizado na admissão e duas vezes por dia após a cirurgia até a alta hospitalar, por uma equipe composta por médicos e enfermeiros.
Variáveis Relevantes: Idade, funcionalidade (Katz e New Mobility Score), nutrição (albumina), cognição (DSM-IV para demência), comorbidades (Charlson Comorbity Index), risco cirúrgico (ASA), tempo de internação após cirurgia, número de dias de delirium após a cirurgia.
Resultados: Dos 199 pacientes avaliados, 57 (28,6%) apresentaram delirium no pós-operatório. Ao longo do seguimento de 6 meses, 35 pacientes (17,6%) faleceram e, dentre esses, 28,1% apresentaram delirium na internação, enquanto 13,4% não apresentaram delirium na internação. A média de dias de delirium do grupo que faleceu foi de 2.0 ± 3.2 dias e do grupo que não faleceu foi de 0.7 ± 1.8. Após o ajuste de variáveis como funcionalidade (Katz e New Mobility Index), diagnóstico de demência antes da fratura, número de comorbidades (Charlson Comorbity Index), delirium no pré-operatório, residentes de instituições de longa permanência e tempo de internação após a cirurgia, cada dia de delirium no pós operatório foi associado com um aumento de 17% na mortalidade. Além disso, outros fatores foram associados com a mortalidade, tais como:

  • Idade 1.07 (1.01-1.13)
  • Níveis de albumina sérica 0.42 (0.18-0.45)
  • American Society of Anesthesiologists Score – ASA I e II – 0.14 (0.04-0.49).

Na tabela abaixo colocamos outras características clínicas com relevância na associação com mortalidade em seis meses após a cirurgia.

Características Grupo
Sobreviventes
N= 164
Grupo
Óbitos
N= 35
Hazard
ratio
(CI 95%)
Idade (anos) 83.7 ± 6 87.3 ± 7.2 1.09 (1.04-1.15)
Katz (pontos) 4.4 ± 1.9 3.3 (1.2) 0.78 (0.67-0.92)
New Mobility Score (pontos) 5.0 ± 1.0 3.2 (1.7) 0.77 (0.66-0.90)
Demência (%) 38 (23.1) 15 (42.8) 2.23 (1.14-4.36)
Tempo de internação após a cirurgia (dias) 7.9 (3.3) 10.1 (6.4) 1.09 (1.03-1.16)

 
Conclusão: A duração do delirium em pós-operatório de cirurgia de fratura de quadril é um importante determinante de mortalidade em seis meses. Cabe a nós, geriatras e gerontólogos, não medirmos esforços para prevenção dessa condição no ambiente intrahospitalar.