(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Dez sinais de que você está cuidando demais

A fadiga de compaixão – também conhecida como burnout do cuidador – é o que acontece quando um cuidador bem intencionado atravessa a tênue linha de ser aquele que ajuda para ser aquele que precisa ser ajudado. Isso pode acontecer a qualquer um. Isso acontece justamente porque você se importa tanto.

Você está em risco de cuidar “demais”? Aqui estão dez sinais de alerta:
[accordion]
[acc_item title=”1. Você usa palavras como ‘sempre’ e ‘nunca’ no que diz respeito à prestação de cuidados.“]
Cuidado com os absolutos: ‘Eu prometi a minha mãe que nunca a colocaria numa casa de repouso.’ ‘Desculpe, não posso almoçar com você porque eu sempre alimento João sozinha’.
Ser excessivamente rígida pode colocá-lo em risco de burnout.
[/acc_item]
[acc_item title=”2. Seus amigos parecem ter parado de te ligar.“]
Você pode estar se sentindo isolado ou irritado que seu antigo círculo de amigos já não parece se importar com você e não quer saber como você está. Mas será que é possível que você tenha recusado tantos convites por causa de seus deveres de cuidado ou que as preocupações de cuidar tenham dominado sua vida e sua conversa de tal maneira que eles entenderam que você não está interessado neles?
A vida social é uma via de mão dupla.
[/acc_item]
[acc_item title=”3. Você não se lembra da última vez que se sentiu feliz.“]
Ninguém nunca disse que cuidar de uma pessoa querida doente ou idosa seria uma brincadeira em um campo de flores silvestres. Mas se sua vida cotidiana perdeu mesmo as suas notas de graça a ponto de você não encontrar prazer nenhum nisso, você esta em risco para burnout.
Todos os dias precisa de pelo menos uma ou duas coisas felizes.
[/acc_item]
[acc_item title=”4. Todos presumem que você vai tomar a liderança.“]
Você se tornou a pessoa para quem todos pedem ajuda na família? Quando a pessoa doente é seu marido ou sua esposa, isso é lógico. (Mesmo assim, você precisa de um sistema de apoio). Mas a situação muda de figura quando o membro da família a ser cuidado é um pai, avô ou outro parente – e toda a carga de responsabilidade parece ter colocada em seus ombros, mesmo que você não tenha se oferecido para isso.
As pessoas só tiram vantagem de nós quando nós deixamos.
[/acc_item]
[acc_item title=”5. Você está acima do peso ou fora de forma.“]
É verdade que o fato de você cuidar de alguém não é necessariamente a razão por você estar fora de forma. Nós poderíamos sentar e fazer uma longa lista de culpados para uma saúde ruim, mas o fato é que um autocuidado ruim é uma grande alerta para o burnout de cuidador. Você estar generosamente focado nos outros significa, por definição, que você não está focado em si mesmo. E ainda assim você precisa ser a principal pessoa a ser cuidado, para que você tenha condições de cuidar dos outros.
Se você não gosta do que vê quando olha no espelho (ou de sentar-se para ouvir a preocupação do médico na sala de exame), permita-se ser um pouco egoísta.
[/acc_item]
[acc_item title=”6. Você não consegue se lembrar da última vez que tirou férias.“]
É verdade que o fato de você cuidar de alguém não é necessariamente a razão por você estar fora de forma. Nós poderíamos sentar e fazer uma longa lista de culpados para uma saúde ruim, mas o fato é que um autocuidado ruim é uma grande alerta para o burnout de cuidador. Você estar generosamente focado nos outros significa, por definição, que você não está focado em si mesmo. E ainda assim você precisa ser a principal pessoa a ser cuidado, para que você tenha condições de cuidar dos outros.
Se você não gosta do que vê quando olha no espelho (ou de sentar-se para ouvir a preocupação do médico na sala de exame), permita-se ser um pouco egoísta.
[/acc_item]
[acc_item title=”7. Todas as conversas se voltam para o cuidar.“]
Talvez você se lembre quando seus filhos eram bebês e você contratava uma babá – apenas para continuar falando sobre as crianças a noite toda? Não é exatamente uma ótima ideia. Ou pior, você liga para casa apenas para “saber se está tudo bem”! Se as conversa com seu parceiro ou com outros membros da família giram ao redor do cuidar, é um sinal de que o tópico está monopolizando sua vida.
Diversifique!
[/acc_item]
[acc_item title=”8. Você não tem hobbies.“]
Talvez você se lembre quando seus filhos eram bebês e você contratava uma babá – apenas para continuar falando sobre as crianças a noite toda? Não é exatamente uma ótima ideia. Ou pior, você liga para casa apenas para “saber se está tudo bem”! Se as conversa com seu parceiro ou com outros membros da família giram ao redor do cuidar, é um sinal de que o tópico está monopolizando sua vida.
Diversifique!
[/acc_item]
[acc_item title=”9. Você não consegue dormir a noite inteira.“]
Duas causas comuns: ou você está cuidando de um idoso doente (um paciente com doença de Alzheimer ou alguém que consegue dormir poucas horas por noite) ou você está sofrendo de estresse ou outro problema físico. Uma ou duas noites sem dormir fazem parte da rotina de um cuidador, mas se isso se tornou seu estilo de vida, atenção: é preciso corrigi-lo.
Sono não é opcional!
[/acc_item]
[acc_item title=”10. Você teme acordar pela manhã.“]
Todos nós temos essa experiência, geralmente quando estamos no meio de uma crise de saúde que parece um pesadelo, mas não é. Pesadelos de saúde podem continuar por anos, infelizmente. Mas se a crise já passou, você está em uma nova rotina e ainda sente o coração pesado e sem esperança, o seu corpo está pedindo por apoio.
Ninguém, nem mesmo o mais bem-intencionado, de grande coração, e altruísta de nós, deve aguentar uma situação difícil sozinho, dia após dia, mês após mês, ano após ano.
Se três ou mais desses sinais de alerta parecem familiares para você, está na hora de você procurar ajuda.
[/acc_item]
[/accordion]