(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Performance alimentar na demência de Alzheimer

Dra. Juliana Venites
Graduada pela Universidade São Camilo. Especialista em gerontologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.
Especialista em motricidade orofacial pelo Conselho Federal de fonoaudiologia. Mestre em Ciências pelo Departamento de Reabilitação da Unifesp e doutora em Ciências pelo Departamento de Distúrbios da Comunicação Humana da mesma universidade. Membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – Seção São Paulo

O aparecimento da disfagia é esperado na demência de Alzheimer. Todavia, o acompanhamento fonoaudiológico acontece ainda tardiamente, na maioria das vezes quando evidentes sinais clínicos de broncoaspiração já estão instalados.
A investigação da performance alimentar deve estar presente nas anamneses de médicos, enfermeiros, nutricionistas e fisioterapeutas.
A tabela a seguir descreve os sinais e sintomas que podem indicar a presença da disfagia, mesmo antes da ocorrência de broncoaspiração ou da perda de peso:

Captura de Tela 2019-09-23 às 10.41.20
Monitorar o aparecimento dos primeiros sintomas da disfagia e realizar o encaminhamento para a fonoterapia pode prolongar a boa performance alimentar, evitando sempre que possível a utilização de vias alternativas de alimentação, já que não há evidências científicas de que este uso aumenta a sobrevida ou previne a broncoaspiração.
É necessário ressaltar que encaminhar o paciente para a fonoterapia não significa submetê-lo a mais um tratamento prolongado ou oneroso. Se realizado no momento correto, ela pode envolver o estabelecimento de uma linha de cuidados alimentares que vão garantir sua melhor performance de deglutição.
Há dois importantes focos estabelecidos para essa linha de cuidados:
Foco na alimentação
1. Determinação da via alimentar
Os dados da avaliação fonoaudiológica fornecerão condições para que o fonoaudiólogo determine a via alimentar do paciente, podendo ser:
– oral
– enteral: sonda nasoenteral ou gastrostomia
– mista: utilização de ambas as vias quando existe ingestão insuficiente ou durante o início da reabilitação
2. Determinação da consistência da dieta
Ao fazer a opção pela via oral ou mista, deve-se em seguida determinar a consistência da dieta a ser oferecida diante de seu desempenho na avaliação clínica funcional.
– Dieta geral: alimentos em todas as consistências, com grande demanda mastigatória
– Dieta branda: alimentos mais amolecidos, com demanda mastigatória moderada
– Dieta pastosa: alimentos bastante amolecidos e bem cozidos, com pouca demanda mastigatória
– Dieta pastosa geriátrica: alimentos em consistência de purê, sem demanda mastigatória
Foco no cuidado
1. Posicionamento para receber a dieta:
Deve ser sentado (cadeira ou leito) a 90º. Para tanto, o paciente necessita de:
– Auxílio total
– Auxílio parcial
– Nenhum auxílio
2. Dependência alimentar:
– Alimentação com assistência total: não leva o alimento à boca; o mesmo precisa ser oferecido
– Alimentação com assistência parcial: necessita apenas que sirvam a mesa. Consegue separar o bocado e levá-lo à boca
– Alimentação sem assistência: não necessita de nenhum auxílio.
3. Higiene oral:
Evita infecção por colonização de bactérias, assim como a aspiração de partículas de alimentos.
– Higiene realizada pelo próprio paciente, sem nenhum auxílio
– Higiene realizada pelo próprio paciente, com auxílio de um cuidador ou profissional
– Higiene realizada pelo cuidador ou profissional. O paciente não tem nenhuma participação.
4. Terapia fonoaudiológica:
Envolve múltiplas ações, que podem ser divididas em dois grupos:
4.1- Terapia Indireta: são técnicas que não envolvem o oferecimento do alimento. Visam à melhora da mobilidade e tonicidade da musculatura envolvida na deglutição, utilizando apenas estímulos gustativos e a deglutição da saliva.
4.2- Terapia Direta: consiste na aplicação de técnicas com o oferecimento do alimento que visam treinar ou compensar a eficiência da deglutição.
O estabelecimento precoce desta linha de cuidados associado a orientação constante da família e do cuidador garantirá a melhor performance alimentar durante o percurso da demência de Alzheimer, evitando a utilização de vias alternativas de alimentação, a broncoaspiração e a desnutrição, contribuindo evidentemente para a qualidade de vida do paciente.
Referências bibliográficas:
1. Bilton, T. L., Soares, L. T., & Venites, J.P. (2009). Comunicação e deglutição no idoso. In: M. R. Perracini, & C. M. Fló. Funcionalidade e envelhecimento. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.
2. Cintra, M. T. G., Rezende, N. A., & Torres, H. O. G. (2013). Qual a via mais adequada para a alimentação de idosos com demência avançada: oral ou enteral? Rev Geriatria & Gerontologia, 7(4), 308-317.
3. Curado, A.D.F. (2010). Atenção ao idoso em domicílio – O enfoque da fonoaudiologia. In: M. A. Domingues, & N. D. Lemos (Coords.). Gerontologia: os desafios nos diversos cenários da atenção. Barueri, SP: Manole.
4. Lee, I. C., Yang, Y. H., Ho, P. S., & Lee, I. C. (2014). Chewing ability, nutritional status and quality of life. J Oral Rehabil, 41(2), 79-86.
5. Listl, S. (2014). Oral health conditions and cognitive functioning in middle and later adulthood. BMC Oral Health, 14,70.
6. Silva, A. P., Sanchez, N. E., Escamez, N. M. J., & Andrade e Silva, M. A. (2014). Método Therapy Taping ®, bandagem elástica como recurso terapêutico na clínica fonoaudiológica. Distúrbios Comun., 26(4), 805-808.
7. Venites, J. P., Ramos, L. R., Suzuki, H., Sanches, E. P., De Luccia, G., Cortes, L. S., & Bilton, T. L. (2001). Prevenção da pneumonia aspirativa em enfermaria geriátrico-gerontológica: descrição das condutas fonoaudiológicas. Rev Distúrbios da Comunicação, 13(1), 109-145.
8. Weijenberg, R. A., Lobbezoo, F., Visscher, C. M., & Scherder, E. J. (2015). Oral mixing ability and cognition in elderly persons with dementia: A cross-sectional study. J Oral Rehabil, 42(7), 481-486.