(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Quedas entre idosos e sua relação com o uso de fármacos

IAMSPE

Jerocílio Júnior  – Médico residente do Hospital do Servidor Público Estadual

Maurício Ventura – Diretor Técnico do Serviço de Geriatria e Gerontologia do Hospital do Servidor Público Estadual

As quedas constituem uma grande preocupação para o médico geriatria. Além de ser uma grande síndrome com repercussões clínicas, psicológicas e sociais, as quedas são consideradas um significativo problema de saúde pública por estarem relacionadas a institucionalização precoce, diminuição de qualidade de vida, mobilidade prejudicada e aumento de custos.
Na nossa rotina geriátrica, quando nos deparamos com o assunto quedas, que vai da prevenção à reabilitação no seu amplo espectro, pensamos sempre na sua relação com fármacos e a questão da polifarmácia. Para nossos pacientes com risco de quedas, fazemos escolhas diárias baseadas na farmacologia das drogas, mas sem muito acesso a estudos que associem quedas a fármacos especificamente, além de resultados conflitantes na literatura.
Visando uma perspectiva abrangente das associações entre medicamentos e risco de quedas em idosos, um grupo holandês fez uma revisão sistemática e metanálise para avaliar a associação entre quedas e diferentes classes de drogas cardiovasculares, psicotrópicas e outras drogas. Foram realizadas pesquisas nos bancos de dados do Medline, Embase e PsycINFO até setembro de 2016, num total, após exclusões, de 131 artigos de drogas cardiovasculares, 248 artigos de psicotrópicos e 281 artigos de outras drogas, todos em pacientes com idade superior a 60 anos.
O resultado das pesquisas encontra-se de forma resumida na tabela abaixo:
RISCO DE QUEDAS ASSOCIADA A FÁRMACOS EM IDOSOS

AUMENTAM RISCO DE QUEDAS DIMINUEM RISCO DE QUEDAS
Diuréticos de alça OR 1,36 (1,17 – 1,57) Betabloqueadores cardiosseletivos OR 0,88 (0,80-0,97)
Digitálicos OR 1,60 (1,08 -2,36) Estatinas OR 0,80 (0,65 – 0,98)
Digoxina OR 2,06 (1,56 – 2,74)
Antipsicóticos OR 1,54 (1,28 – 1,85)
Antidepressivos OR 1,57 (1,43 – 1,74)
Antidepressivos inibidores seletivos da recaptação de serotonina OR 2,02 (1,85 – 2,20)
Antidepressivos tricíclicos  OR 1,41 (1,07 – 1,86)
Benzodiazepínicos OR 1,42 (1,22 – 1,65)
Benzodiazepínicos de ação prolongada
OR 1,81 (IC 1,05 – 3,16)
Benzodiazepínicos de ação curta
OR 1,27 (1,04 – 1,56)
Opioides OR 1,60 (1,35-1,91)
Antiepilépticos OR 1,55 (1,25-1,92)
Polifarmácia OR 1,75 (1,27-2,41)

OR: Odds ratio (intervalo de confiança de 95%)
 
É interessante notar que a maioria das drogas de nossa prática diária estão relacionadas ao risco de quedas. Um dado que chama a atenção é que inibidores seletivos da recaptação de serotonina estão mais relacionados a quedas que os temidos antidepressivos tricíclicos. E os betabloqueadores cardiosseletivos apresentam-se como protetores para quedas diferentemente dos não cardiosseletivos.
O grande ponto positivo do estudo foi ser a primeira revisão abrangente para o tema. A maioria dos estudos são observacionais, de qualidade moderada e de alta heterogeneidade.
Por fim, a base do atendimento geriátrico, que consiste no bom relacionamento médico-paciente, avaliação a cada consulta da desprescrição de medicamentos desnecessários, o início de fármacos com doses mais baixas e aumentos lentos associados ao conhecimento das drogas potencialmente causadoras de quedas são elementos fundamentais para a prevenção de quedas.
 
Referências bibliográficas:

  1. de Vries, Max Blain, Hubert et al. Fall-Risk-Increasing Drugs: A Systematic Review and Meta-Analysis: I. Cardiovascular Drugs. Journal of the American Medical Directors Association, Volume 19, Issue 4, 371.e1 – 371.e9, 2018.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29396189

  1. Seppala, Lotta J. Blain, Hubert et al. Fall-Risk-Increasing Drugs: A Systematic Review and Meta-Analysis: II. Psychotropics. Journal of the American Medical Directors Association, Volume 19, Issue 4, 371.e11 – 371.e17, 2018.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29402652

  1. Seppala, Lotta J. Blain, Hubert et al. Fall-Risk-Increasing Drugs: A Systematic Review and Meta-analysis: III. Others. Journal of the American Medical Directors Association, Volume 19, Issue 4, 372.e1 – 372.e8, 2018.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29402646