(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Uma nova gestão para um novo tempo

A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia do Estado de São Paulo (SBGG-SP) sempre esteve junto de seus associados. Nestes novos tempos, a SBGG-SP seguirá dando continuidade às ações, priorizando as novas formas de atualização e transmissão dos eventos (online). Para esta missão, a nova diretoria para o biênio 2020 – 2022 foi eleita por unanimidade:

Presidente Mauricio de Miranda Ventura
1o Vice-presidente Amanda Santoro Fonseca Bacchin
2o Vice-presidente Elci de Almeida Fernandes
3o Vice-presidente Fábio de Campos Leonel
1o Tesoureiro Paulo de Oliveira Duarte
2o Tesoureiro Edison Iglesias de Oliveira Vidal
Secretário Geral Camila Brajatto Guanais Velludo
1o Secretário Adjunto Victor Abraão Zeppini
2o Secretário Adjunto Juliana Venites
Diretor Científico Rosemary Tatiane Arias Buse
Diretor de Publicações Oberdã Gomes Moreira Filho
Diretor de Comunicação Thiago de Oliveira Monaco
Conselho Consultivo Diego Félix Miguel
Ana Paula Maeda de Freitas
Marília Anselmo Viana Silva Berzins

Conversamos com o novo presidente eleito, Dr. Maurício de Miranda Ventura, e com a presidente da Gerontologia, Dra. Elci de Almeida Fernandes. Confira!
Dr. Mauricio de Miranda Ventura 
Médico Geriatra titulado pela SBGG   
Diretor Técnico do Serviço de Geriatria e Gerontologia do Hospital do Servidor Público    
Mestre em Ciências da Saúde pelo Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual  

1) Comente um pouco sobre sua trajetória até chegar à presidência da SBGG-SP:  

Desde 2009 faço parte da gestão da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – Seção São Paulo, sempre ocupando cargos, como vice-presidente e secretário geral. Na última gestão, fui indicado pelo Dr. Marcelo Valente, então presidente, como candidato a sucedê-lo baseado na minha experiência como membro da Sociedade.

2) Quais seus principais objetivos para a nova gestão?  

Manter o elevado nível de difusão da especialidade, baseado no sucesso das gestões anteriores, não somente por meio da organização do Congresso Paulista de Geriatria e Gerontologia, mas também pela realização de cursos e webinars. Melhorar a integração com os sócios por meio das mídias sociais e site, fazendo da Sociedade fonte de conhecimento dos principais avanços da Geriatria e Gerontologia.

3) Quais os maiores desafios a serem enfrentados e os planos para o futuro da Sociedade?  

É fundamental adaptar-se à nova realidade, quando os cursos e aulas presenciais perderam espaço para as realizadas pela web. Ainda, em função da crise econômica que assola o país, manter o patrocínio das principais indústrias farmacêuticas para o associado ter acesso às novas informações e tecnologias a um custo acessível.

4) Qual mensagem o senhor deixa para os associados neste momento?  

É importante o geriatra associar-se, prestar a prova de título e tornar-se titulado, para que ela possa ter força para ser uma voz no interesse dos idosos brasileiros, além de ser uma fonte constante de conhecimento e atualização.

Dra. Elci de Almeida Fernandes  
Especialista em Gerontologia pela SBGG   
Nutricionista clínica na divisão de Nutrição e Dietética do ICHC/FMUSP   
Mestre em Nutrição Aplicada pela USP   
Coordenadora do curso de Especialização e Atualização em Gerontologia ICHC/FMUSP   

1) Comente um pouco sobre sua trajetória até chegar à presidência da SBGG-SP:  
 
Mergulhando em minhas memórias, nos acontecimentos durante meus últimos 20 anos de profissão, descobri conquistas extremamente significativas de minha vida profissional relacionadas às atividades em Gerontologia. Permaneço nas atividades clínicas do Instituto Central do Hospital das Clínicas de São Paulo, onde participo nas discussões, principalmente colaborando com a tomada de decisão da via de aporte nutricional mais adequada para atender as necessidades nutricionais e clínicas de cada paciente idoso hospitalizado. Como membro da diretoria da SBGG-SP na posição de presidente da Gerontologia, é fundamental conduzir atualizações e tomadas de decisões contínuas diante da diversidade desta área.
Minhas atividades de assistência nutricional na Enfermaria de Geriatria iniciaram em 2002. Com o objetivo de adquirir melhores conhecimentos na área, em 2004, iniciei minhas participações cientificas, neste momento apenas como ouvinte, no Congresso do GERP. No seguimento, em 2006, tive a oportunidade de apresentar uma parte do meu trabalho desenvolvido no mestrado no CONGRESS OF THE INTERNATIONAL ASSOCIATIONAL OF GERONTOLOGY na França. Em 2007 aconteceu a publicação deste trabalho na Revista Nutrition & Metabolism e o convite para participação no capítulo de 2 livros com enfoque gerontológico: (1) “Gerontologia: os desafios nos vários cenários de atenção ao idoso” e (2) “Geriatria e Gerontologia Básicas”. Além de assumir a coordenadoria do curso de Atualização em Gerontologia, promovida pelo Serviço de Geriatria do ICHC/FMUSP, envolvendo profissionais de saúde de diferentes áreas da saúde. Em abril de 2008, concluí meu mestrado com enfoque em pacientes idosos desnutridos e suplementação nutricional sendo, em seguida, publicado na revista trimestral da SBGG do mesmo ano.
Seguindo a ênfase em Gerontologia, assumi a coordenação do Curso de Especialização de Nutrição em Gerontologia com base lato sensu a partir de maio de 2008 até o presente momento. Através dele, os conhecimentos adquiridos puderam ser direcionados para a colaboração na orientação de alunos já graduados, interessados em se aperfeiçoar no conhecimento da Nutrição em Gerontologia. Na sequência, em 2009, na apresentação da dissertação de mestrado como tema livre oral no Congresso do GERP promovido pela SBGG regional de São Paulo, obtive a grande satisfação de ser premiada como o 3° lugar na categoria de Gerontologia. E a titulação de ESPECIALISTA EM GERONTOLOGIA pela SBGG aconteceu no ano de 2010, quando iniciei minha participação efetiva junto ao Departamento de Gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, seção SP. Inicialmente como comissão avaliadora de trabalhos científicos, seguido como consultora, secretária e, neste presente momento (2020), de uma forma muito honrosa como presidente da Gerontologia.

2) Quais os principais objetivos para a nova gestão?

– Novo formato do congresso estadual de Geriatria e Gerontologia (GERP) 2022, incluindo transmissão WEB, com uma nova empresa de marketing colaborando na execução do evento;
– Reformulação do estatuto regional para melhor divisão de atividades no corpo diretivo e formação de departamentos das áreas, atendendo as diferentes necessidades de cada especialidade;
– Aprimoramento do site da SBGG-SP para melhor integração dos associados;
– Atender as demandas da imprensa, a fim de divulgar e expandir os conhecimentos científicos tanto da Geriatria quanto da Gerontologia, baseados em evidências;
– Atualização dos cadastros dos associados São Paulo com maiores detalhes de sua formação e área de atuação, para facilidade nos contatos e melhor indicação em cursos e congressos;
– Cursos de atualização científica pelo menos 1x/semestre presencial e mais frequentes on-line;
– Aprimoramento da frequência de informações nas mídias sociais;
– Programar reuniões com coordenadores de hospitais, centro dias e ILPIs para conhecimento de programações ao público idoso e verificar as possibilidades de atividades tanto científicas como comunitárias em conjunto com a SBGG –SP;
– Participar em conjunto com as secretarias da saúde e direitos dos idosos nas políticas tanto estaduais como municipais dos programas de políticas públicas dos idosos;
– Incentivar maiores campanhas de educação e orientações à comunidade intergeracional sobre o envelhecimento na sociedade – como GERP comunidade e programa Educar para Envelhecer.

3) Quais os maiores desafios a serem enfrentados e os planos para o futuro da Sociedade?

A vivência da pesquisa implica não apenas na busca incessante pelo conhecimento científico, no aprimoramento profissional e na participação na docência. É fundamental que cada indivíduo que faça parte dessa complexa comunidade da Gerontologia esteja engajado na luta pela melhoria contínua das condições desse rico ambiente diversificado em todos os âmbitos, educacionais, administrativos e políticos (política pública) à população idosa.
Atualmente, quando a globalização é uma realidade, sabe-se que, várias são as discussões e legislações no reconhecimento da formação dos profissionais. As sociedades sugerem a necessidade de desenvolver uma comunidade acadêmica sólida e organizada, treinar os profissionais a participarem ativamente e de forma absoluta na investigação interdisciplinar, e manter a identidade acadêmica característica de cada especialidade.

4) Qual mensagem a senhora deixa para os associados neste momento?

Em consonância com o cenário atual e tendo como objetivo aumentar e compartilhar meus conhecimentos científicos, utilizando-os na prática e repassando-os na orientação aos idosos nos seus diferentes cenários e profissionais da área. A fundamentação científica e senso crítico na capacidade de selecionar, orientar e motivar pessoas e profissionais na assistência, ensino e pesquisa, na finalidade de contribuir para o enriquecimento profissional, da comunidade idosa e da própria instituição (SBGG).
Pelo privilégio das escolhas e das razões aqui apresentadas, sinto-me feliz e realizada com a trilha percorrida. E tenho a intenção de atender as necessidades administrativas, organizacionais, assistenciais e científicas, tanto aos profissionais associados como aos idosos da comunidade como um todo.