(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Viagem de família sem culpa

Take off at the sunsetMuitas famílias com idosos dependentes enfrentam um dilema quando chegam as férias ou feriados prolongados como o Carnaval. A vontade de viajar é grande, mas muitas vezes é difícil, ou mesmo inviável, levar o familiar idoso com alto grau de dependência física ou mesmo com algum tipo de demência em estágio avançado.
Por sentimento de culpa, muitos acabam não viajando e ficam sem desfrutar de um descanso merecido. No entanto, é possível contar com apoio para o idoso que fica de fora da viagem, ainda que essa ajuda não possa vir de um familiar.
Em grandes cidades, instituições de longa permanência e centros-dia para idosos podem ser uma boa opção para acolher temporariamente o familiar que fica.
Idosos demenciados
Tirar um familiar com Alzheimer ou demência do seu ambiente de segurança pode ser muito complicado. Isso porque quando ele se depara com um local desconhecido, pode aumentar seu estado de confusão. Não raro o incômodo dele é tamanho fora de casa que a família acaba por voltar da viagem antes.
Nesse caso, se for possível deixá-lo na casa onde vive, é preciso ter certeza de que ele será assistido por uma pessoa comprometida. O melhor, nesse cenário, é contratar uma empresa de home care. “A empresa coordena os profissionais e não permite que haja furo na escala. Essa é uma opção melhor do que contar com um profissional autônomo que, se faltar ao trabalho, não terá substituto e deixará o idoso na mão”, diz a psicóloga Cleofa Toniolo Zenatti, diretora de Atenção ao Cliente do Residencial Toniolo.
Quando não é possível ficar na própria casa, a melhor opção é procurar uma instituição de longa permanência para idosos (ILPI). Mas, atenção: não deixe para os últimos dias antes da viagem. “O idoso precisa se familiarizar com o local. É recomendável que ele frequente a ILPI alguns dias antes para não ficar confuso quando a família viajar e ele passar os dias ali”, explica Cleofa.
 
Idosos parcialmente independentes
Os idosos que precisam de certa supervisão mesmo durante o dia podem ser acolhidos em centros-dias, desde que haja alguém responsável por levá-lo e buscá-lo todos os dias. Dependendo do caso, é interessante que haja alguém para cuidar dele à noite, em casa – função que pode ser feita por um cuidador, amigo da família ou outra pessoa próxima.
Douglas Benitez, sócio da Senior Vita Exclusive Care, diz que nos centros-dia privados é possível combinar para que o idoso faça todas as refeições e tome banho. Dessa maneira, ele só volta para casa para dormir. “Além de levar o idoso antes para conhecer o local, é imprescindível pensar em quem vai dormir com ele. Se a opção for contratar um cuidador, ele deve começar a ficar com o idoso já alguns dias antes da família viajar para os dois se familiarizarem”, explica.
 
Idosos independentes
Mesmo totalmente independente, o principal risco para um idoso sozinho é o de queda. Por esse motivo, se a família vai se ausentar por alguns dias da cidade, o ideal é pedir para que um vizinho, amigo ou conhecido dê uma passada de vez em quando pela casa para ver se está tudo bem e se o idoso precisa de algo. Sendo alguém de confiança da família, pode ser uma boa ideia deixar uma cópia da chave da residência com essa pessoa.
Em prédios, o zelador ou um porteiro mais antigo pode ser acionado para dar mais atenção ao idoso nesse período em que os familiares estiverem fora de casa. Se o idoso não for visto por mais de um dia circulando pelo prédio, é bom checar, já que não é incomum, em caso de queda, que ele não consiga se levantar do chão.
Cleofa diz que é essencial que essas pessoas tenham o número de telefone da família para acioná-la em caso de emergência, bem como deixar em local acessível contato do médico, carteirinha do plano de saúde ou do SUS e documentos pessoais do indivíduo.
Há ainda a opção dos serviços de teleassistência para idosos. Nesse caso, se necessário, o idoso aciona um botão de emergência que aciona a central de atendimento.
Seja qual for a escolha de assistência para o período de viagem, o importante é que ela seja analisada com antecedência para maior conforto do idoso.