(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Aprendendo sobre o impacto de múltiplos sintomas em idosos

fotolia_225649162“Sintomas” é o termo médico para qualquer sinal de um problema de saúde, mesmo que esse sinal não ajude seu médico a diagnosticar uma doença específica. Os sintomas, como cansaço ou indisposição (também chamado de fadiga), estão entre as principais causas de incapacidade para idosos.
Às vezes, os sintomas são causados ​​diretamente pela doença – por exemplo, uma dor no peito pode ser um sintoma associado a um ataque cardíaco. Mas muitas vezes, os sintomas têm várias causas. Por exemplo, a fadiga pode ser um sintoma comum quando você tem condições como osteoartrite do joelho, depressão e insuficiência cardíaca.
Além disso, os adultos mais velhos geralmente experimentam mais de um sintoma por vez, o que pode fazer com que cada sintoma piore.
Até agora não temos muitas informações sobre como sintomas concomitantes afetam a capacidade de um adulto mais velho de viver normalmente. Para saber mais, uma equipe de pesquisadores examinou recentemente informações de um grande estudo envolvendo idosos – o Estudo Nacional de Tendências de Saúde e Envelhecimento (NHATS, na sigla em inglês) –, que incluiu mais de 7.500 participantes com 65 anos ou mais. O estudo foi publicado no Journal of the American Geriatrics Society.
Os pesquisadores focaram nas respostas dadas a várias perguntas no NHATS que mostravam se um participante tinha sintomas como:
– Falta de ar ou dificuldade em respirar
– Dificuldade em cair ou permanecer dormindo à noite
– Depressão ou ansiedade
Os pesquisadores também registraram medições da força de preensão dos participantes, sua velocidade de marcha, seu equilíbrio e sua capacidade de se levantar de uma cadeira. Eles também foram questionados a respeito de potenciais quedas no último ano.
Os pesquisadores também mediram se os participantes tinham alguma doença crônica, se haviam sido internados no último ano e se tinham problemas para realizar suas atividades diárias (como deitar ou levantar da cama, comer, ir ao banheiro, tomar banho e se vestir).
Os resultados mostraram que 75% dos idosos tinham pelo menos um sintoma e quase metade tinha dois ou mais sintomas. Eles observaram que quase 14% – quase 5 milhões de adultos idosos nos EUA – tinham quatro ou mais sintomas.
Os pesquisadores observaram que:
– Os sintomas aumentaram com a idade avançada
.- As mulheres eram mais propensas a ter mais sintomas que os homens.
– Em comparação com indivíduos brancos, os participantes negros e hispânicos apresentaram mais sintomas. Idosos com menor escolaridade apresentaram maior número de sintomas do que aqueles com maior escolaridade.
– Tabagismo atual, obesidade e estilo de vida inativo também foram associados a um maior número de sintomas.
– Os participantes que tinham uma condição médica crónica, ou múltiplas condições crónicas, também experimentaram mais sintomas.
É importante ressaltar que os idosos que relataram mais sintomas apresentaram menor força de preensão e caminharam mais devagar. Com o tempo, os idosos com mais sintomas tiveram um risco aumentado de quedas, hospitalizações, incapacidades e mortalidade.
Os pesquisadores acreditam que, à medida que envelhecemos e vivenciamos mais condições crônicas múltiplas, é provável que o número de pessoas idosos convivendo com múltiplos sintomas também aumente. Embora os profissionais de saúde entendam a importância de se tratar dos sintomas para melhorar a qualidade de vida no final da vida (cuidados paliativos), há menos compreensão sobre a melhor maneira de tratar os múltiplos sintomas que os idosos experimentam.
Os pesquisadores disseram que suas descobertas destacam a necessidade de mais pesquisas sobre sintomas em adultos mais velhos para desenvolver estratégias eficazes de manejo.
Esse resumo foi feito a partir do artigo “Symptom Burden among Community-Dwelling Older Adults in the United States.” e foi publicado no blog Health in Aging.