(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Depressão aumenta risco de morte entre idosos

À medida que envelhecemos, nos tornamos mais propensos a experimentar sintomas de depressão. Pesquisas mostram que os sintomas da depressão podem estar ligados a um risco maior de morte. No entanto, muitas vezes, os sintomas de depressão em idosos podem passar despercebidos pelos profissionais de saúde.
Além disso, sintomas de depressão têm sido associados a doenças cardíacas e derrame em adultos de meia-idade e idosos. Pesquisadores sugerem que a relação depressão-doença cardíaca pode ter um papel no aumento do risco de morte entre os idosos que apresentam sintomas de depressão. Há também um elo conhecido entre depressão e mortes por câncer e quedas em adultos mais velhos. Essas conexões podem contribuir para um aumento do risco de morte para idosos, sugerem os pesquisadores.
Como os sintomas de depressão mudam com o tempo, é possível que o estudo desses sintomas durante as consultas geriátricas possa fornecer mais informações. Para aprender mais, uma equipe de pesquisa projetou um estudo para investigar o papel que os sintomas da depressão exercem em um aumento do risco de morte ao longo do tempo. A equipe também examinou o papel que a doença cardíaca e o AVC desempenham na ligação entre os sintomas depressivos e o aumento do risco de morte. O estudo foi publicado no Journal of the American Geriatrics Society.
Os pesquisadores usaram informações do Three-City Study, um estudo francês que investigou demência, doença cardíaca e acidente vascular cerebral em pessoas com 65 anos ou mais durante cinco visitas de cuidados de saúde que os participantes realizaram ao longo de 10 anos.
No início do estudo, 16% dos 9.294 participantes tinham histórico de doença cardíaca. A maioria dos participantes tinha cerca de 73 anos de idade; 37% eram homens.
Cerca de 23% dos participantes apresentaram sintomas de depressão quando o estudo começou (28% das mulheres e 13% dos homens). Quase 7% estavam tomando medicação para a depressão. Em três visitas de acompanhamento, os participantes foram testados novamente para sintomas de depressão.
Quando os participantes foram monitorados para sintomas de depressão em várias visitas ao longo do tempo, os sintomas de depressão foram associados a um aumento do risco de morte, incluindo morte por doença cardíaca e acidente vascular cerebral. No entanto, essas doenças explicaram apenas uma pequena porcentagem das mortes associadas aos sintomas de depressão ao longo do tempo.
Os pesquisadores disseram que o estudo sugere que, para idosos que vivem com depressão, a prevenção de doenças cardíacas pode não ser o único fator que ajudará a prevenir ou retardar a morte. Curiosamente, os antidepressivos não foram associados a um risco aumentado de morte neste estudo.