(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Dificuldade de visão pode aumentar o risco de queda em idosos

Senior man examined by an ophthalmologist, eye examA deficiência visual e a cegueira afetam um em cada 11 americanos com 65 anos ou mais. Como a população está envelhecendo, espera-se que o número de idosos com problemas de visão aumente ainda mais. Idosos com visão prejudicada podem estar em risco de diminuição da independência, redução na qualidade de vida e maior risco de quedas. Por exemplo, em qualquer ano, aproximadamente 30% dos adultos com mais de 65 anos irão cair. Ter visão prejudicada mais do que duplica esse risco.
Para os idosos, as quedas são uma das principais causas de doença e morte. Mesmo ter medo de cair é um desafio que pode limitar a atividade e piorar a qualidade de vida e a independência à medida que se envelhece.
No entanto, não há muita informação sobre a frequência com que uma pessoa com deficiência visual sofre uma queda, e há menos informações ainda sobre o que acontece após essa queda. Uma equipe de pesquisadores sugeriu que essas informações são necessárias para entender o escopo do problema e criar maneiras de prevenir quedas em idosos com deficiência visual.
Para saber mais, a equipe de pesquisa examinou informações do National Health and Ageing Trends Study (NHATS). Eles publicaram seu estudo no Journal of the American Geriatrics Society.
Seu objetivo era fornecer informações atualizadas sobre a frequência das quedas. A equipe também queria aprender mais sobre o medo de cair e como isso poderia limitar a atividade entre idosos com deficiências visuais.
Os participantes do estudo foram considerados deficientes visuais se tivessem dificuldade em reconhecer alguém do outro lado da rua e/ou ler o jornal impresso, mesmo quando usassem lentes corretivas.
As quedas foram definidas como “qualquer queda, escorregão ou tropeço” que envolvesse a perda de equilíbrio e o pouso no chão ou em um nível inferior. Os participantes foram questionados se haviam sofrido alguma queda no último mês e se haviam caído mais de uma vez nos últimos 12 meses. O medo de cair foi determinado perguntando-se aos participantes se eles se preocuparam em cair no último mês. Uma pergunta adicional procurou descobrir se a preocupação com a queda sempre fazia com que os participantes limitassem suas atividades.
Os pesquisadores também perguntaram sobre o número de condições crônicas dos participantes, incluindo ataque cardíaco, doenças cardíacas, pressão alta, artrite, osteoporose, diabetes, doenças pulmonares, derrame e câncer.
Os pesquisadores concluíram que quedas, medo de cair e atividade limitante eram consideravelmente mais comuns entre os idosos que eram deficientes visuais.
Cerca de 50% das pessoas que disseram ter problemas para enxergar tinham medo de cair e, como resultado, limitavam suas atividades. Mais de um em cada quatro adultos mais velhos com problemas de visão tiveram quedas recorrentes no ano anterior ao levantamento.
Os pesquisadores disseram que o estudo sugeriu que tomar medidas para prevenir quedas para idosos com problemas de visão era importante e poderia limitar as consequências prejudiciais das quedas para adultos mais velhos. Além disso, ajudar idosos a prevenir quedas pode também reduzir o declínio no bem-estar, na qualidade de vida e na independência associado ao medo de cair.
Os pesquisadores observaram que o comprometimento da visão pode ser tratado ou mesmo evitado em muitos casos, e especularam que isso poderia ser uma estratégia para diminuir quedas e problemas relacionados à queda para alguns idosos com problemas de visão.
“Precisamos de mais informações sobre quedas e medo de cair em idosos com problemas de visão. Isso nos ajudará a projetar intervenções de saúde pública e clínicas para abordar algumas das principais consequências da perda de visão para adultos mais velhos ”, disse o coautor do estudo Joshua R. Ehrlich.