(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Dinapenia – um conceito importante

Doctor measuring obese man stomach.Muitos conceitos e termos da Geriatria e da Gerontologia já são conhecidos do público leigo. Osteoporose, demências e até sarcopenia são temas bastante difundidos. No entanto, dinapenia – perda de força muscular relacionada ao envelhecimento – ainda é um conceito restrito aos consultórios e instituições de pesquisa.
“Temos como conceito de dinapenia a diminuição da força muscular relacionada ao processo de envelhecimento. A perda de massa muscular ou sarcopenia não é a única causa da dinapenia, sendo acrescidos fatores como diminuição de testosterona, de GH, vitamina D, entre outras alterações fisiológicas do sistema nervoso central e periférico”, explica o fisioterapeuta Tiago da Silva Alexandre, especialista em Gerontologia, Pós-Doutor em Epidemiologia e Saúde Pública pela University College London, professor da Universidade Federal de São Carlos e presidente do Departamento de Gerontologia da SBGG-SP.
Alexandre tem, desde o Doutorado, dedicado seus estudos e pesquisas sobre os diversos efeitos da sarcopenia e da dinapenia na incidência de incapacidade e na mortalidade de idosos. “Sabe-se que com o processo inflamatório crônico do organismo que ocorre à medida que se envelhece– o inflammaging – há aumento das citocinas inflamatórias e do catabolismo proteico, que provocam a perda de massa muscular. Além disso, a inatividade física, a diminuição das células satélites que formam as células musculares e a menor ingestão de proteína levam à sarcopenia”, diz o especialista. Esse processo também tem como consequência a diminuição da quantidade e qualidade dos neurônios que comandam o músculo e, assim, portanto, geram perda da força muscular.
“A sarcopenia é um importante componente da dinapenia, mas precisamos levar em conta o depósito de gordura e de colágeno dentro do músculo, a diminuição do reflexo espinhal e do controle do sistema nervoso central e periférico”, explica. Esse conceito mais amplo começou a ser considerado, segundo Alexandre, porque havia idosos que, embora tivessem a mesma quantidade de massa muscular, não tinham a mesma força. Ou, ao contrário, perdiam massa e mantinham a força. “Era preciso entender qual o mecanismo para a perda de força”.
O primeiro estudo que propôs o termo dinapenia e trouxe uma diferenciação em relação a sarcopenia foi publicado em 2008, no The Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences ( CLARK, Brian C.; MANINI, Todd M. Sarcopenia≠ dynapenia. The Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences, v. 63, n. 8, p. 829-834, 2008).
“O foco das pesquisas anteriores era apenas compreender a redução da massa muscular. Agora, junto a isso ganham força as pesquisas que buscam a associação com força e função física”, afirma Alexandre. “Isso é importante porque ainda não há consenso quanto à melhor forma de medir a massa muscular, seja a total ou a apendicular, para identificar se a medida é apenas de músculo ou há um maior depósito de tecido conjuntivo ou gordura junto que prejudicam a função muscular e geram a dinapenia. Precisamos avançar nisso”.
Como resultado de seu estágio de pós-doutorado no Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública na University College London, Alexandre começou a estudar o efeito combinado da dinapenia e da alta quantidade de gordura acumulada no abdômen sobre o metabolismo dos carboidratos, lipídeos, síndrome metabólica, incidência de incapacidade, quedas, mortalidade assim como a interrelação entre essas duas condições. Tais estudos compararam quatro grupos: os que não tinham dinapenia e nem obesidade abdominal, os que tinham somente dinapenia, os que tinham somente obesidade abdominal e os que tinham obesidade abdominal dinapênica explica o pesquisador.
“Conseguimos demonstrar que os indivíduos com obesidade abdominal dinapênica têm  maiores concentrações séricas de triglicérides, glicose e hemoglobina glicada, menores concentrações de HDL colesterol e maior prevalência de síndrome metabólica”, destaca Alexandre.
Em relação a quedas, o obeso dinapênico tem mais chance de cair assim como esse grupo de idosos também tem um maior risco de mortalidade . Para avaliar o risco de morte, foram acompanhadas mais de 6 mil pessoas na Inglaterra e no Brasil por 10 anos e a conclusão foi de que a gordura abdominal conjugada a dinapenia aumenta em 37% o risco de mortalidade. “Da mesma forma, os obesos abdominais dinapênicos são pessoas com mais chance de evoluir para incapacidade em atividades básicas e instrumentais de vida diária, portanto exigem mais atenção nos cuidados”, diz.
Por fim, o pesquisador ainda observou que homens obesos abdominais apresentam uma maior perda de força muscular ao longo da vida, comprovando que o efeito inflamatório da gordura abdominal é maléfico para o músculo e precisa ser evitada ou tratada quando se pensa na saúde muscular e geral.
 
Para saber mais sobre dinapenia:
ALEXANDRE, Tiago da Silva; SCHOLES, Shaun ; Santos, Jair Lício Ferreira ; DE OLIVEIRA, CESAR . Dynapenic abdominal obesity as a risk factor for worse trajectories of ADL disability among older adults: ELSA cohort study. JOURNALS OF GERONTOLOGY SERIES A-BIOLOGICAL SCIENCES AND MEDICAL SCIENCES, v. x, p. x-x, 2018. https://academic.oup.com/biomedgerontology/advance-article/doi/10.1093/gerona/gly182/5079421
CARVALHO, DHT ; SCHOLES, Shaun ; SANTOS, J. L. F. ; DE OLIVEIRA, Cesar ; ALEXANDRE, Tiago da Silva . Does abdominal obesity accelerate muscle strength decline in older adults? Evidence from the English Longitudinal Study of Ageing. JOURNALS OF GERONTOLOGY SERIES A-BIOLOGICAL SCIENCES AND MEDICAL SCIENCES, v. X, p. X-X, 2018. https://academic.oup.com/biomedgerontology/advance-article/doi/10.1093/gerona/gly178/5068954
ALEXANDRE, Tiago da Silva; SCHOLES, Shaun ; SANTOS, Jair Lício Ferreira ; DE OLIVEIRA DUARTE, Yeda Aparecida; DE OLIVEIRA, Cesar. Dynapenic Abdominal Obesity Increases Mortality Risk among English and Brazilian Older Adults: A 10-year follow-up of the ELSA and SABE Studies. J. Nutr. Health Aging.  2018;22(1):138-144. doi: 10.1007/s12603-017-0966-4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29300433
ALEXANDRE, Tiago da Silva; AUBERTIN-LEHEUDRE, MYLÈNE; CARVALHO, LÍVIA PINHEIRO; MÁXIMO, Roberta de Oliveira; CORONA, Ligiana Pires; BRITO, TÁBATTA RENATA PEREIRA DE; Nunes, Daniella Pires; SANTOS, JAIR LICIO FERREIRA; Duarte, Yeda Aparecida de Oliveira; Lebrão, Maria Lúcia. Dynapenic obesity as an associated factor to lipid and glucose metabolism disorders and metabolic syndrome in older adults – Findings from SABE Study. CLINICAL NUTRITION, v. 37, p. 1360-1366, 2017. https://www.clinicalnutritionjournal.com/article/S0261-5614(17)30220-0/fulltext
ALEXANDRE, Tiago da Silva et al. The combination of dynapenia and abdominal obesity as a risk factor for worse trajectories of IADL disability among older adults. CLINICAL NUTRITION (2017). https://doi.org/10.1016/j.clnu.2017.09.018