(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

I Conferência Aché e Geriatria

acheO modo como queremos envelhecer, o papel estratégico do geriatra e a importância do exercício físico foram os temas principais do primeiro dia da I Conferência Aché e Geriatria, realizada pelo laboratório farmacêutico, com apoio científico da SBGG-SP. Voltado para médicos, o evento em Campinas (São Paulo) teve início na sexta, dia 25, e prossegue no dia 26.
Como proposta para a elaboração de uma carta magna – uma diretriz orientadora – da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia a respeito do envelhecimento no país, o geriatra Wilson Jacob, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, apresentou informações relevantes a serem consideradas no processo de envelhecimento saudável. Em seguida, a presidente da SBGG-SP, a geriatra Maisa Kairalla, falou do papel do geriatra como gestor da saúde diante do cenário previsto de um bilhão de idosos na população mundial em 2030. Encerrando a tarde, o educador físico Marcio Atalla tratou da importância do movimento e de como ele é essencial para a saúde em qualquer idade.
 
Como queremos envelhecer?
img_20161125_155456Essa foi a pergunta proposta pelo geriatra Wilson Jacob para a plateia em Campinas. Diante do fato de que não há escolha entre envelhecer ou não, o médico alertou que é preciso encarar o envelhecimento de forma positiva, sem marginalizar o idoso e como um processo adequado para que represente ganhos e não perdas.
“De acordo com nossa funcionalidade é que seremos mais ou menos bem-sucedidos no envelhecimento”, explicou o geriatra, que alertou ser preciso considerar a biografia do idoso para conseguir tratá-lo de maneira mais adequada. “Temos de entender quem é o idoso para depois adotar a melhor conduta biológica”, afirmou.
Jacob destacou ainda alguns desafios bastante contemporâneos que os idosos e a sociedade têm enfrentado e que devem ser problematizados cada vez mais, como a maternidade tardia, que influencia a saúde da mulher e o arranjo familiar; o avanço tecnológico, que precisa ser bom para todos a fim de que não seja excludente; a sexualidade no envelhecimento, quebrando barreiras de preconceitos; e a manutenção e inserção dos idosos no mercado de trabalho sem que isso se torne uma disputa com os jovens.
Além dos desafios, o médico apresentou algumas ameaças ao envelhecimento saudável, como as multimorbidades e as limitações funcionais, e mostrou um caminho a ser seguido pelos profissionais de saúde, que passa por prevenção, detecção precoce, terapêutica eficaz até chegar a um nível mais extenso, que atinge a toda a sociedade, que é o que ele chamou de “adaptações” – políticas públicas voltadas para a população idosa e medidas de educação sobre o significado do envelhecer.
 
O geriatra como gestor da saúde

img_20161125_163713A presidente da SBGG-SP Maisa Kairalla levantou alguns aspectos que ressaltam a importância fundamental do geriatra não só como profissional de saúde junto a seu paciente, mas dentro de todo o complexo campo da assistência à saúde, em especial no Brasil, cujo processo de envelhecimento populacional (mais idoso que jovens) está previsto para se concretizar em 21 anos. Em comparação, a geriatra citou a França, cujo processo de inversão na pirâmide etária foi de 115 anos, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU).

Essa inversão na pirâmide populacional tem seu custo. Conforme a médica apontou, nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os gastos com aposentadoria consomem cerca de 15% do PIB (Produto Interno Bruto). Embora o Brasil não seja um dos membros, os dados certamente apresentam uma visão dos custos do envelhecimento. Nesses países, em 1960, os idosos trabalhavam, em média, cerca de 46 anos e desfrutavam de um ano de aposentadoria. Em 2010, os dados apontam 32 anos de trabalho para 21 de aposentadoria.
Além da questão previdenciária, os custos com doenças crônicas aumentaram 10% nos últimos 28 anos. “Todos esses gastos representam um prejuízo imenso para todo o sistema de saúde”, disse a médica. E, quanto maior o envelhecimento populacional, maiores são os custos da saúde e maior o número de internações hospitalares. “Cabe, portanto, ao geriatra gerir melhor os custos, fazer as escolhas corretas em relação a exames e medicamentos pensando também na questão financeira”, explicou. Esse, segundo a geriatra, é um trabalho de conscientização também de toda a sociedade. “Isso tudo é importante para que o envelhecimento seja simples, previsível e estável”.
 
Sua vida em movimento
img_20161125_164521A evolução da vida nos grandes centros fez com que o ser humano deixasse de movimentar-se. “Ninguém sedentário vai acordar um dia com vontade de fazer exercício. O homem foi criado para poupar energia”, explicou o educador físico Marcio Atalla. “Mas nossa espécie tinha de se movimentar para caçar e conseguir alimento, era uma questão de sobrevivência no passado. Hoje não é mais”. Ou seja, o movimento tem a ver com o estilo de vida que, por sua vez, é determinado pelo meio ambiente.
Com comida em abundância, cada vez mais industrializada, e pouco movimento, o resultado são sobrepeso e doenças crônicas.  Segundo um estudo apresentado pelo especialista, o sedentarismo custa 68 bilhões de dólares por ano no mundo e, a cada dois minutos, uma pessoa morre como consequência disso.
Além das consequências imediatas do sedentarismo, haverá também muitos prejuízos durante o envelhecimento e aumento de doenças crônicas como hipertensão e diabetes. Para o especialista, o exercício programado – aquele que é feito em academia ou parques – é excelente, mas colocar um fim ao sedentarismo é mais eficaz, em sua opinião, com atitudes no dia a dia. “O melhor movimento é aquele que pode ser incorporado ao dia a dia: ficar em pé por algum tempo ao invés de sentado, acumular passos contando no celular, subir escadas, entre outros”, disse. Isso porque a regularidade é fundamental para colher os benefícios de qualquer atividade física.
Aos médicos, Atalla fez um apelo para que trabalhem com os educadores físicos. “Precisamos preparar os educadores a trabalhar com idosos e vocês devem confiar neles para que o idoso tenha uma assistência multiprofissional”.