(11) 3107-6119
sbgg-sp@sbgg-sp.com.br

Novas descobertas sobre tratamento para colesterol alto em pessoas 80+

Especialistas sabem que, em adultos com menos de 65 anos, níveis elevados de colesterol no sangue podem aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames. No entanto, em adultos com 80 anos ou mais, os pesquisadores ainda não estudaram exaustivamente o alto colesterol das doenças cardíacas,  capacidade de funcionar bem ou o risco de morte.
Na verdade, algumas pesquisas mostram que um nível mais alto de colesterol total e um nível mais baixo do chamado colesterol “ruim” (também conhecido como “lipoproteína de baixa densidade” ou colesterol LDL) podem ser úteis para proteger a capacidade de realizar atividades diárias, preservando a vida por mais tempo.
Além disso, parece que ter colesterol baixo está associado a um risco maior de morte por câncer, doenças respiratórias e acidentes em idosos 80+. Parece também que os benefícios trazidos pelas estatinas, medicamentos que reduzem o colesterol, podem diminuir à medida que as pessoas envelhecem. Os pesquisadores têm inclusive uma expressão para esse fenômeno: “paradoxo do fator de risco”. Isso descreve o fato que, para pessoas com 80 anos ou mais, ter algumas condições que são consideradas riscos à saúde em adultos jovens prediz melhor sobrevida. Essas condições incluem maior colesterol total, maior pressão arterial e maior índice de massa corporal (IMC, a relação entre peso corporal e altura que ajuda a determinar se você está acima do peso ou obeso).
Triglicerídeos são um tipo de gordura no sangue que o corpo usa como energia. Altos níveis de triglicérides podem aumentar os riscos de doenças cardíacas em adultos jovens. No entanto, não se sabe tanto sobre os riscos para adultos com 80 anos ou mais, ou se altos níveis de triglicérides podem afetar seus riscos de incapacidade ou até mesmo a morte.
Uma equipe de pesquisadores na China decidiu descobrir se as atuais diretrizes de nível de triglicérides fazem sentido para pessoas com 80 anos ou mais. Para isso, eles exploraram as relações entre os níveis de triglicérides e a capacidade de realizar atividades diárias de autocuidado, função cognitiva (capacidade de pensar e tomar decisões) e fragilidade (uma condição associada ao envelhecimento que aumenta os riscos de problemas de saúde, quedas, incapacidade e morte. Os sinais de fragilidade incluem fraqueza, perda de peso e baixos níveis de atividade). Os pesquisadores também analisaram se os níveis de triglicérides tiveram um impacto sobre a morte em um grupo de 930 adultos chineses com 80 anos ou mais.
O que se observou foi que, para as pessoas mais idosas do estudo, ter um nível mais alto de triglicérides estava associado a um menor risco de declínio cognitivo, menor redução na capacidade de realizar tarefas diárias, menos fragilidade e menor risco de morte.
Os pesquisadores disseram que seus resultados desafiam o pensamento atual de que ter altos níveis de triglicérides é um fator de risco para distúrbios crônicos relacionados à idade e à morte. Os pesquisadores disseram que o estudo sugere que, após os 80 anos de idade, tomar medicamentos para baixar o colesterol pode trazer pouco – ou nenhum – benefício.